Aula de socialização

aula4
Na feira pet que aconteceu em Franca dias 30, 31 de maio e 01 de junho, resolvi organizar uma aula de adestramento em grupo para socializar os cães da feira e ensinar donos qual a maneira certa de segurar e conduzir seus cães e algumas noções de educação.

Ouvi rumores de que eu iria quebrar a cara, que se acontecesse algum acidente tipo uma briga entre cães eu iria me f****, rs.
aula2
Quando se é um profissional de verdade, sabemos o que estamos fazendo e toquei adiante minha ideia. No dia marcado. Reunimos mais de 30 cães na feira para tão esperada aula.

Nesta aula mostrei aos donos de como manter o cão quieto próximo a eles, como andar e condicionar o cão a não arrastar, como faze-lo parar de querer brigar com outros cães.
aula3
No incio alguns cães estavam muitos agitados outros muitos bravos, mas fui mostrando que o problema estava nos donos e não nos cães e a cada minuto que passava e os exercícios eram executados. Donos que se mostravam mais nervosos, foram se acalmando e assim também seus cães.

Lembro de uma proprietária de um Spitz que disse que era impossível fazer seu cão ficar perto de outros, calar ou parar de querer encrencar com os outros cães que ali estavam, ela chegou a querer abandonar a aula mas insisti que ficasse e no final se surpreendeu!
aula1
Foi uma aula muito proveitosa. Fui mostrando que o comportamento gerado pelo cão dependia desde a maneira com que ele segurava a guia, como se posicionava parado, até a maneira como respirava. Ao final estávamos lado a lado, ombro a ombro com os cães tranquilos ao lado de seus donos.

Quero agradecer a Premiatta rações que apostou na ideia. Obrigado ao amigo Sergio Carneiro pela parceria.

Parabéns aos corajosos donos!!

Guarda e ataque. Qual a diferença?

cao ataque

Muitas pessoas hoje em dia querem um cão que seja de companhia, carinhoso com a família, respeitoso com as visitas e cruel com ladrões.
Melhor ainda se atacar sob comando.

Mas é melhor ter um cão com uma guarda natural ou seja do próprio instinto dele, do que um mal treinado ou com um dono irresponsável.

Um cão treinado para guarda pode confundir uma criança escondida num parque com uma figurante das aulas de adestramento de guarda.

Por melhor que seja o cão, o adestrador e o dono, esse treinamento não irá funcionar como um relógio suíço.

O que ocorre com o cão treinado?

O cão treinado fica condicionado a reagir sob qualquer ameaça ao seu dono.
Treinar um cão para atacar não é como programar uma máquina, daquelas que geram sempre a mesma resposta quando ativadas. Condicionamentos precisam ser mantidos, revisados e corrigidos. E o controle deve ser maior ainda quando se lida com comportamentos perigosos, ou seja, cães sem temperamento psicológico estável.

Quando não fazê-lo?

Há quem pede para fazer em cães com temperamento medroso. pensam que este irá ficar corajoso. É verdade que com o treino muitos cães medrosos passam a atacar. Mas isso não quer dizer que deixam de ser medrosos. Mas o cão pode aprender atacar por medo o que torna mais difícil seu controle. Existe também o mito de que, para obter controle total sobre um cão, é necessário ensiná-lo a atacar e a interromper o ataque sob comando.

Alguns cães atacam mesmo sem treino

Muitos cães defendem o proprietário e a propriedade naturalmente, sem terem sido treinados. Nesses casos, é importante conseguir controlar e inibir a agressividade do animal para evitar acidentes. Esse controle é obtido por meio da repreensão do cão quando ele se mostrar agressivo diante de uma situação, a qual pode ser armada especialmente para isso.

Pense com cuidado antes de estimular a agressividade. O cão pode ser excelente defensor da propriedade e da nossa vida. Mas também pode machucar seriamente uma criança ou uma pessoa inocente e até matá-la.

É possível treinar um cão para latir e acuar um invasor sem mordê-lo.
Esse condicionamento também tende a estimular a agressividade do cão, mas não é tão perigoso quanto o treino que permite ao cão morder pessoas.

Veja o vídeo a baixo:

Tudo depende do ponto de vista

rotw1
Sempre que adestro procuro ensinar o dono também. Cães não vem com controle remoto onde é só apertar os botões e os comandos vão sendo obedecidos. Requer exercícios do dono e fazê-lo copiar meus trejeitos, minha tonalidade de voz e gestos esta é a lição mais difícil. Ou seja, é daí que surge a frase “Adestrar o dono é o pior”. O dono sempre faz tudo diferente do que você pede, sempre acrescenta uma palavra a mais no comando, se posiciona de maneira errada, chega até a gritar com o cão.

Referindo a este assunto, lembro de um rottweiler chamado Thomaz no qual obedecia prontamente meus comandos chegando a andar solto ao meu lado pelas ruas movimentadas da avenida Dr. Ismael Alonso Y Alonso. Thomaz era um rottweiler daqueles magros tinha um problema no coxo femoral que o fazia mancar de vez enquanto. Mas seu dono era uma peça rara.

Um dia fui passar os comandos e o jeito de conduzir Thomaz ao seu dono e lá fomos nós numa caminhada descontraída e conversando um pouco de cada coisa e entre meio a conversa eu ia mostrando como se dava os comandos: “junto”, “alto”, “senta”, “deita”, “fica”, “aqui”. Este era o básico que Thomaz obedecia lindamente. Num dado momento da caminhada passei a guia para seu dono e fui mostrando e corrigindo o que ele fazia de errado.

Pedi para que ele batesse na perna esquerda e desse o comando “junto”
(onde o cão inicia a caminhada ao lado do condutor). E o que ouvi do dono foi: “juntinho Thomaz! Vamos passear bonitinho!”. Tentei por várias vezes corrigir, mas em vão nada tirava da cabeça do dono aquela frase meiga e singela, rs!

Então pedi algo mais fácil, pedi para que mandasse o “senta” e ouvi:
“senta para descansar Thomaz, senta!”, seguido de tapinhas carinhosos no traseiro de Thomaz kkk. Bom… Vamos tentar o “deita”, pensei. Posicionei o dono corretamente e disse agora é só pedir dizendo apenas “DEITA”. Não teve jeito, “deita para ‘nanar’ Thomaz, cadê a barriguinha do meu moleque?”, kkk!

Depois de várias tentativas, em vão, de adestrar o dono, voltamos para casa e numa última tentativa já no portão de sua casa, pedi para que ele soltasse Thomaz da guia e falasse “CASA”. E o dono disse:

– Esse ele faz que é uma beleza, olha para você ver! VAI BEBER ÁGUA THOMAZ!

Thomaz correu pra dentro da casa e foi direto na vasilha de água depois de uma caminhada de quase uma hora…

E, olhando pra mim, o dono diz:

– Dino! Eles são muito inteligentes já pensou?! Eu chego da rua com ele, depois da caminhada mando ele beber água e ele vai!

Realmente ELES são muito inteligentes kkk!

Pegando roupas do varal

varal

Cães adoram treinar caça e nada melhor que uma roupa balançando no varal!

Enquanto você esta em casa seu cão se comporta bem, mas é só virar as costas que ele “pesca” as roupas no varal!
O que fazer?

Você tem que usar a correção indireta, ou seja, corrigir sem que você esteja presente, mas como fazer?!

Pegue uma lata de tinta vazia daquelas de 18 litros e encha de latinhas de cerveja (boa desculpa pra tomar cerveja, hein, rs).

Sem que o cão veja, coloque a lata em cima do muro ou outro local próximo ao varal de roupas.
Amarre um barbante na lata e amarre num pano ou roupa velha pendurado no varal.

Quando o cão puxar, tudo irá cair e assustá-lo, fazendo a correção na sua ausência.

Bom, agora deixa eu correr porque que estou cheio de roupas para lavar hehehe.