O fujão

labrador-3

Estava eu numa mercearia aqui no meu bairro quando entra um labrador ofegante e estabanado. O dono da mercearia na hora disse:
– Vixe, fugiu de novo!!!
O cão deu uma volta em torno das prateleiras e saiu novamente para rua.
Em seguida surge 4 pessoas desorientadas correndo atrás dele e gritando:
– Thor, Thor, vem aqui! Vem aqui!
Thor olhava, parava e quando alguém caminhava em sua direção corria mais um pouco.
Clientes que estavam na mercearia se prontificaram a ajudar e enquanto eu pagava minha conta no caixa ficava rindo da situação.
O que era para ser uma ordem de “vem aqui” estava virando uma brincadeira de pega pega. Um cercava daqui outro dali, carros paravam gente ria o dono xingava, rs!
Paguei a conta peguei minha sacolinha e fui pra rua e gritei pra todo mundo:
– Parem, fiquem todos parados! Ninguém fala mais nada!
Em seguida gritei:
– Thor! Thor! – e sai correndo sentido contrário. Thor pensou, analisou e se colocou a me perseguir. Quando este se aproximava eu mudava bruscamente de direção sentido contrário dele e este com mais ênfase tentava me alcançar, até que me abaixei e ele entrou entre meus braços e me lambendo recebia meus afagos e incentivos de bom garoto. Segurei Thor pelo pescoço e este nem tentou fugir deixou que seu dono colocasse a coleira e o levasse para casa salvo dos perigos da rua.

Anúncios

Meu cão fugiu. E agora?

resgate_abracoPor incrível que pareça, está mais fácil encontrar um cão perdido. Hoje, com as paginas sociais a velocidade com que a notícia corre é capaz de você cercar o cão ali na esquina (kkkkk). Se seu cão tem mania de dar umas escapadinhas, você já deveria pensar em colocar uma coleira de identificação nele com nome e telefone. Muitos pensam que o microchip ajuda a encontrar, mas ele apenas mantém as informações de seu cão embutida. Infelizmente quem o encontrar não saberá que ele é microchipado, por isso, mais uma vez mantenha uma coleira com plaquinha de identificação.

Mas eu não fiz isso e agora?

Vamos lá! Seguem algumas dicas do que fazer:

– Sempre tenha uma foto de seu cão atualizada de boa qualidade.

– Trace um território para divulgação tendo em vista o tempo que seu cão fugiu.

– Faça cartazes bem chamativos e distribua em padarias, pontos de ônibus, açougues, supermercados e todo lugar em que pessoas ficam em filas procurando o que ler.

– Anuncie no jornal. Também compre o jornal, pois a pessoa pode anunciar que o encontrou.

– No anúncio coloque que ele toma remédio controlado para crise epilética ou cardíaca, pois assim se alguém não quiser devolve-lo porque é de raça, vai ficar com medo de gastar com veterinário e devolver. Invenções do tipo “criança doente”, “criança desesperada” não estão colando mais.

– Estipule uma recompensa por informação que leve até o cão, pois se a pessoa que o encontrar não quiser devolver, ele terá certeza que o vizinho pode ligar denunciando.

– Não desista. Nunca. Já tive um amigo que ficou um ano procurando uma pastora branca que fugiu e no final encontrou depois de uma denuncia anônima. No fim da historia ele estava com dois pastores um macho e uma fêmea, pois pessoas comovidas doaram um pastor branco macho pra ele. Mas ele continuou anunciando, panfletando, investigando as dicas e teve um baita final feliz. Não é?