Armagedon

Lola e bagunça que ela aprontou

Lola e bagunça que ela aprontou

Ao acordar, nesta segunda, me deparei com uma cena que não via a muito tempo na minha casa: uma bagunça sem limites foi feita por minha labradora Lola. Ela é a mais nova integrante da família e está em processo de adestramento.

Com a chuva, é quase impossível sair com ela para cansá-la, pois ela é uma cadela jovem e precisa de exercícios físicos, se não é destruição na certa. Por isso, para não acontecer o que aconteceu comigo, rs, segue algumas dicas para época de chuva.

Se possível exercite o cão com brinquedos interativos. Forneça ossos para roer, jogue bolinha para ela correr e, principalmente, mantendo objetos afastados.

Cães em época de chuva ficam muito entendiados e na primeira oportunidade destroem o que veem pela frente.

Bom, agora vou lá juntar a bagunça, rs.

Anúncios

Cuidados no primeiro encontro

shutterstock_133464065

Às vezes encontramos cães estranhos seja sozinhos ou acompanhados por seu dono. Por isso algumas regras devem ser obedecidas para que acidentes não aconteçam:

– Ao se deparar com um cão estranho, não o olhe diretamente nos olhos;
– Não estenda a mão para fazer carinho sobre sua cabeça no primeiro contato;
– Não corra, isso aguça o desejo de caça;
– Não abrace, não beije, nem chegue o rosto perto do cão;
– Evite falar alto e gesticular muito;
– Não chegue alcoolizado diante de um cão estranho
– Nunca confie no dono que diz: “pode entrar é mansinho!”.

Cães podem interpretar qualquer sinal de medo como ameaça e atacar para se defender.

Dicas contra o calor

labrador

Com o calor que está fazendo alguns cães sofrem muito por isso é preciso tomar alguns cuidados para mantê-lo saudável e hidratado.

_ Verifique se água do seu cão esta sempre fresca. Evite deixar a vasilha no sol. Se quiser pode até colocar umas pedras de gelo;
_ Prefira horários com sol mais fraco para caminhar, bem cedo ou a tarde. Importante leve água para vocês dois. Cuidado com chão quente seu cão pode queimar as patas;
_ Se seu cão é peludo faça uma tosa de verão nele, isso irá ajudar a amenizar o desconforto;
_ Verifique se a casinha do seu cão está fresquinha. Conheço muitos canis com telhado eternit onde o único local de sombra é dentro da casinha e mesmo assim a temperatura fica alta;
_ Se seu cão tem pelo curto ou longo, mas seca fácil, você pode molhá-lo durante o dia. Molhar o telhado da casinha e as paredes ajudam a reduzir a temperatura e melhorar a umidade do ambiente;
_ Oferecer algumas frutas geladas também é uma deliciosa e refrescante opção;
_ Evite deixar seu cao dentro do carro mesmo que por 5 minutos. Se for assim, faça o favor de nem levá-lo com você;
_ Evite as roupinhas, sapatinhos e efeites desnecessários. Isso só aumenta a sensação de calor do cão;
_ Se seu cão é idoso deixe uma vasilha de água próxima ou toalhas molhadas para equilibrar a umidade do ar assim a respiração dele fica melhor evite que ele fique se movimentando demais.

Basta seguir essas dicas e aproveitar o verão com tranquilidade!

Comprei Gato por Lebre! o que fazer?

gato-por-lebre

Uma amiga comprou um cão da raça Shihtzu e este apresentou coprofagia (ato de comer as próprias fezes) o criador não quer nem dar satisfação, dizendo que é normal que os pais comem. Bom, primeiro, não é normal comer fezes, segundo, ele se condenou dizendo que os pais comem o que pode ser constatado comportamento psicológico hereditário. Assim como ela, muitas pessoas compram gatos por lebres ou cães por gatos se sentem lesados e não sabem o que fazer então deixo aqui uma luz.

Segundo a Advogada Dra. Greicy Duarte Ribeiro Pantoja:

“Ao tratar da responsabilidade civil do criador que vende animais com problemas de saúde e outros, o primeiro passo é verificar se existe um “contrato de compra e venda” ou qualquer outro tipo de instrumento particular celebrado entre as partes. Observe e leia todo o contrato antes de assinar, esteja ciente do que diz até mesmo nas letras minusculas. Para as cláusulas do contrato de compra e venda estão de acordo com as leis vigentes em nosso país, a princípio são consideradas válidas. No entanto, ficando comprovado que o contrato foi elaborado unilateralmente, não permitindo ao comprador modificar ou alterar seu conteúdo, este é passível de anulação por meio do nosso Poder Judiciário. Tal consideração se faz necessária, pois com já foi dito, dos poucos criadores que lançam mão de um contrato, a grande maioria se vale de modelos disponíveis em diversos sites na internet, não possibilitando ao comprador questionar ou modificar qualquer das suas cláusulas. A reparação dos danos é um direito do comprador que ao adquirir um animal, este acaba apresentando posteriormente alguma doença, seja congênita, seja uma virose, etc. Além deste aspecto, também cumpre destacar a reparação pertinente aquele que compra um animal totalmente “fora” do padrão estabelecido para a raça. Observe-se que, o valor da indenização será fixado por um magistrado, caso a caso, levando em consideração tanto os danos materiais (gastos com veterinários, remédios, valor de outro filhote, etc.), quanto os danos morais (desgaste emocional) que o comprador suportou por culpa do vendedor. Lembre-se sempre que é preciso lutar pelos seus direitos, nunca visando o locupletamento sem causa, mas sim, buscando o ressarcimento exato pelos prejuízos que teve, dando sempre preferência a uma composição amigável, ao invés de bater as portas do Judiciário”.

Alguns exemplos práticos sobre os Seus direitos:

1) Comprou um pincher e ele está se tornando um doberman.

Nos casos de compra um filhote de raça, caso este ao tornar-se adulto venha a transformar-se num cão completamente diferente dos padrões estabelecidos pelas entidades que defendem a cinofilia no Brasil, o comprador terá o direito a pleitear uma indenização.

A legislação vigente disciplina que o comprador poderá exigir a substituição do filhote, ou então o abatimento no preço pago. Porém se considerarmos um cão ou gato como um ser único, ao qual seu proprietário dedica afeto, cogitar a troca deste por outro, pode não ser a opção mais acertada.

2) Comprou um cão ou gato, sem vê-lo por encomenda ou de um criador de outra localidade.

Ao receber o animal, caso venha a arrepender-se, você tem o direito de devolver o mascote, devendo exercer este direito em até 07 (sete) dias da assinatura do contrato de compra e venda ou da data de recebimento do animal. Sendo que os valores pagos, a qualquer titulo, durante o prazo para manifestação do arrependimento, deverão ser devolvidos imediatamente.

Vale lembrar que o direito de arrependimento descrito aqui, somente vale para os casos onde o comprador não viu o cão ou gato antes da entrega deste, ou quando se o filhote for comprado de um criador que resida em outra cidade.

3) Comprou um filhote com pedigree e o criador não o entregou.

Em linhas gerais, o criador tem 90 (noventa) dias após o nascimento da ninhada para registrá-los em no Kennel Club no qual é registrado, e a CBKC pode levar em média 120 (cento e vinte) dias para emitir o pedigree.

Se há no contrato a cláusula que prevê a entrega do pedigree por se tratar de um animal registrado, o criador tem a obrigação de fazê-lo, sob pena de ser responder pela infração penal descrita no art. 66 do Código de Defesa do
Consumidor e ainda arcar com as reparações civis cabíveis, pois o comprador pode exigir um abatimento no preço, ou proceder a devolução do animal e exigir a devolução integral do valor pago, podendo ainda exigir uma indenização por dano moral.

Não havendo contrato e sim uma propaganda do criador mencionando que os animais vendidos por ele possuem pedigree e este não é entregue ao comprador, há a possibilidade de responsabilização do criador, dado que o criador é obrigado, pelo Código de Defesa do Consumidor a cumprir tudo aquilo que seu anúncio promete.

4) Você comprou um animal que apresentou uma doença.

Primeiro, é preciso verificar se é uma doença infecto-contagiosa, e qual o período médio de incubação do vírus em questão. Tal verificação é necessária para saber se o filhote veio doente do canil, ou adquiriu a doença já na casa de seu novo proprietário.

O profissional indicado para esclarecer tais dúvidas é o veterinário de sua confiança.

Havendo a confirmação de que a virose foi adquirida no canil, o criador é responsável por todos os gastos médicos que o mascote doente necessitar. Se o animal vier a morrer em decorrência desta doença, o comprador poderá exigir, além daquilo que gastou com os cuidados médicos, a devolução integral do preço pago, ou um outro filhote.

Sendo a doença apresentada pelo animal de origem congênita, o comprador também tem direito a indenização.

Em todos os casos, o melhor a fazer é procurar o criador para um acordo amigável, não sendo possível a composição, o comprador deverá procurar o Procon munidos de todos os documentos que provem a compra do filhote, bem como os laudos veterinários e os dados do canil, para que o órgão tente contatar o criador para a solução da questão.

Não havendo êxito junto ao Procon, o comprador deverá procurar um advogado de sua confiança para tomar as medidas judiciais cabíveis.

Ainda que seja complicado e difícil lutar pelos nossos direitos, esta é a única arma que pode ser utilizada por nós para acabar com a comercialização indiscriminada de animais de estimação ou seja por fim a os chamados cachorreiros mercenários.