Insuportável

demo1

– Alo! …Dino?!
– Sim, é ele!
– A mais ou menos 1 ano e meio te leguei porque eu tenho um SRD e ele tava ficando dominante na época você me disse pra castrar e depois faríamos o adestramento de comportamento. Acontece que contratei um profissional que me indicaram, pois me disseram que era melhor, pois era formado em Faculdade, fez até trabalho sobre o assunto e ele veio aqui e fez várias aulas. Entretanto, meu cão só vem piorando e agora chegou num ponto insuportável onde se eu sento no sofá e ele senta do lado quando vou levantar ele me ataca, não quer deixar eu levantar, não aceita nenhum carinho, meu marido não chega mais perto de mim, ele dorme em cima da minha cama e se eu mexo a noite ele me avança ou rosna basta. É só eu falar não e ele vem pra cima de mim, queria saber o que você pode fazer.

demo2 – O que o psicólogo canino te passou?
– Ele falou para eu caminhar com ele, mandou eu dar cocos pra ele desfiar e receitou um remédio forte.
– Mas o que ele passou pra você? O que ele mandou você fazer em respeito a tratar o cão, mudar suas atitudes para com ele, exercícios de liderança? Pois o problema está em você o que ele fez pra mudar vocês?
– Nada! Ele disse que era apenas pra eu ignorar o cão quando ele me agredisse era pra eu virar de costas e ir embora, só que esta piorando e agora ficou insuportável.
– Bom, temos que iniciar um trabalho árduo e cansativo com vocês. Pode acontecer de tomarmos umas mordidas mas vocês tem que estar dispostos a enfrentar o problema, persistir.
– Mas você não adestra ele pra mim?
– Não! adestro vocês a adestrar ele, pois o problema esta em vocês!
– Quanto tempo dura esse trabalho?
– Vai depender de vocês e do cão, no mínimo uns seis meses;
– Nossa! Vai ficar mais caro que o psicólogo que veio aqui e que tem faculdade?!
– Sim, tem razão e respeito ele, minha faculdade vem de mais de 20 anos trabalhando com cães, frequentando cursos, estudando, buscando métodos eficazes sempre. O problema é que agora tenho que adestrar o cão, vocês e consertar o serviço do “profissional” feito em um cão que já está com 2 anos. Quando você me ligou na época ele ainda era filhote seria bem mais fácil lidar com vocês agora, é um trabalho de risco.
– Está bem, vou ver com meu marido, mas acho que ele não vai querer, pois já gastou muito com ele.

Ser um profissional na área de comportamento canino requer tempo, estudos, experiência e principalmente honestidade. Não se pode treinar seus conhecimentos no cão de um cliente e ganhar por isso, não é justo! Cuidado com quem você contrata. Em Franca existem muitos e bons profissionais, mas também existem os que compram uma fita de vídeo ou um livro e saem dizendo serem especialistas em comportamento.

Anúncios

Tudo depende do ponto de vista

rotw1
Sempre que adestro procuro ensinar o dono também. Cães não vem com controle remoto onde é só apertar os botões e os comandos vão sendo obedecidos. Requer exercícios do dono e fazê-lo copiar meus trejeitos, minha tonalidade de voz e gestos esta é a lição mais difícil. Ou seja, é daí que surge a frase “Adestrar o dono é o pior”. O dono sempre faz tudo diferente do que você pede, sempre acrescenta uma palavra a mais no comando, se posiciona de maneira errada, chega até a gritar com o cão.

Referindo a este assunto, lembro de um rottweiler chamado Thomaz no qual obedecia prontamente meus comandos chegando a andar solto ao meu lado pelas ruas movimentadas da avenida Dr. Ismael Alonso Y Alonso. Thomaz era um rottweiler daqueles magros tinha um problema no coxo femoral que o fazia mancar de vez enquanto. Mas seu dono era uma peça rara.

Um dia fui passar os comandos e o jeito de conduzir Thomaz ao seu dono e lá fomos nós numa caminhada descontraída e conversando um pouco de cada coisa e entre meio a conversa eu ia mostrando como se dava os comandos: “junto”, “alto”, “senta”, “deita”, “fica”, “aqui”. Este era o básico que Thomaz obedecia lindamente. Num dado momento da caminhada passei a guia para seu dono e fui mostrando e corrigindo o que ele fazia de errado.

Pedi para que ele batesse na perna esquerda e desse o comando “junto”
(onde o cão inicia a caminhada ao lado do condutor). E o que ouvi do dono foi: “juntinho Thomaz! Vamos passear bonitinho!”. Tentei por várias vezes corrigir, mas em vão nada tirava da cabeça do dono aquela frase meiga e singela, rs!

Então pedi algo mais fácil, pedi para que mandasse o “senta” e ouvi:
“senta para descansar Thomaz, senta!”, seguido de tapinhas carinhosos no traseiro de Thomaz kkk. Bom… Vamos tentar o “deita”, pensei. Posicionei o dono corretamente e disse agora é só pedir dizendo apenas “DEITA”. Não teve jeito, “deita para ‘nanar’ Thomaz, cadê a barriguinha do meu moleque?”, kkk!

Depois de várias tentativas, em vão, de adestrar o dono, voltamos para casa e numa última tentativa já no portão de sua casa, pedi para que ele soltasse Thomaz da guia e falasse “CASA”. E o dono disse:

– Esse ele faz que é uma beleza, olha para você ver! VAI BEBER ÁGUA THOMAZ!

Thomaz correu pra dentro da casa e foi direto na vasilha de água depois de uma caminhada de quase uma hora…

E, olhando pra mim, o dono diz:

– Dino! Eles são muito inteligentes já pensou?! Eu chego da rua com ele, depois da caminhada mando ele beber água e ele vai!

Realmente ELES são muito inteligentes kkk!