Que tal colocar seu Pit Bull para competir?

american-pitbull-dog

Foi-se o tempo que as pessoas tinham a ideia que o Pit Bull só servia para ser um cão de briga. A ideia errada de que a raça é perigosa e os mitos muitas vezes absurdos do tipo “Ele possui o cérebro maior que a caixa craniana e de uma hora pra outra sente um dor de cabeça e ataca o dono” estão se tornando folclore.

Aqui em Franca uma turma denominada Equipe Drena Dogs vem se unindo para tornar a raça conhecida de maneira correta. Utilizando seus cães em competições de Game Dog, onde os cães competem e testam sua força, agilidade e inteligência em provas de tração, salto em distância, escalada, obediência e até mergulho, essa equipe se destaca pela garra, vontade e persistência. Novata nas competições, ela já conquistou o seu espaço obtendo primeiro lugar em algumas provas.

Os encontros acontecem aos sábados em algum ponto da cidade, onde são passadas informações de comportamento, treinamento, troca de experiências. Qualquer dúvida entre em contato com Robson Cunha pelo fone (16) 99404-8066.

Obrigado!!! Dino Adestrador12211332_912059305525929_356659236_o

Anúncios

O amor verdadeiro

lucky

Numa quinta feira, dia 22 de Julho de 2010, fiz uma apresentação com palestra no SESI, para crianças da colônia de férias, o tema era: “amor verdadeiro”.

Eu falava das mais diferentes formas de amor e suas vertentes. Levei meu filho Fellipe comigo que sentado com as outras crianças me olhava e ouvia atentamente. Após a palestra, fiz uma breve apresentação com Andora.

No final, contei que minha rottweiler Kaoma estava muito doente e ela era o motivo de eu estar ali fazendo aquela palestra. Kaoma pra quem não sabe foi minha primeira cadela terapeuta, uma rottweiler. Hoje meu projeto leva seu nome em homenagem a ela.

Contei um pouco de nossa tragetória, de nossa luta para chegar onde estou. Num dado momento minha voz trêmula e embargada foi coberta por silenciosas lágrimas que caiam de meus olhos.

Os aplausos das crianças que assistiam deixavam o ambiente ainda mais emocionante. Corri os olhos ainda embaçados na plateia pra ver se via meu filho, pois era a primeira vez que eu o deixava me ver chorando.

Então vi quando Fellipe se levantou caminhou até mim, me abraçou, me puxou para baixo e disse no meu ouvido: “Muito bem pai, parabéns, foi muito bom, te amo!”. Meu peito apertava, sensação de que iria explodir, depois mais calmo tive a certeza que estava tomado totalmente por um amor verdadeiro…

Qual o valor disso?

1461765_245340235625695_1789117631_nCertas coisas não tem preço.
Ver uma criança com necessidades especiais, relaxar a musculatura e se divertir na presença de um cão é uma delas. Foi assim no dia 30 de novembro passado, em Patrocínio Paulista.
Acreditávamos que iriam pelo menos 50 pessoas, mas foram apenas 10 e o que era pra ser apenas uma apresentação se transformou em uma sessão de “cão terapia”.

Este é o Kauã, meu amigo e amigo da Andora. Tem coisas que acontecem e não são por acaso. No meu ver foi melhor do que se tivesse 150 pessoas. Pude ajudar alguém individualmente e estou emocionado até agora.

Sobre o autor

Dino e cadela Andora

Dino e cadela Andora

Adoniran Thomaz, mais conhecido como Dino Adestrador, nasceu em Piumhi (MG)Aos 9 anos veio seu sonho de ser adestrador depois de assistir uma apresentação de cães da Policia Militar. Hoje é especialista em comportamento canino, adestramento básico, show dog e guarda. Para tanto, cursou Zooterapia na USP de Pirassununga (SP). Um dos seus principais projetos é o Kaoma, que leva cães adestrados a asilos, creches e escolas de Franca e região. O profissional ministra ainda palestras nas áreas de comportamento canino e posse responsável de animais.

A história de seu primeiro cão terapeuta é contada por Dino no livro “Um Anjo Chamado Kaoma”.

Há mais de um ano, o adestrador mantém na Difusora AM, junto com sua irmã Desiré e o locutor Fernando Calixto, o programa MPB Especial.

Neste blog é possível encontrar dicas, histórias, experiências e tudo sobre o mundo animal, de uma maneira simples e descontraída.