Armagedon

Lola e bagunça que ela aprontou

Lola e bagunça que ela aprontou

Ao acordar, nesta segunda, me deparei com uma cena que não via a muito tempo na minha casa: uma bagunça sem limites foi feita por minha labradora Lola. Ela é a mais nova integrante da família e está em processo de adestramento.

Com a chuva, é quase impossível sair com ela para cansá-la, pois ela é uma cadela jovem e precisa de exercícios físicos, se não é destruição na certa. Por isso, para não acontecer o que aconteceu comigo, rs, segue algumas dicas para época de chuva.

Se possível exercite o cão com brinquedos interativos. Forneça ossos para roer, jogue bolinha para ela correr e, principalmente, mantendo objetos afastados.

Cães em época de chuva ficam muito entendiados e na primeira oportunidade destroem o que veem pela frente.

Bom, agora vou lá juntar a bagunça, rs.

Anúncios

Medo

cao medo

É bastante comum eu receber ligações de donos dizendo que seus cães desenvolveram um medo inexplicável da chuva ou até mesmo medo de não se sabe o que. Isso mesmo, alguns cães, do nada, começam a ficar ofegantes e babar, tremer, andar em círculos, etc.

Vale lembrar que alguns cães que sofrem de epilepsia podem ter crises quando estão com medo. Alguns nem chegam a convulsionar, mas ficam ofegantes e com sintomas de medo, pupilas dilatadas, tremores e andando de um lado pro outro.

Para alguns basta o tempo fechar para a sessão de tortura começar. Mas porque isso acontece?

Bom a maioria dos casos que presenciei, o cão tinha passado por um momento difícil durante uma tempestade e seus donos não estavam em casa. Foram barulhos, vento e chuva que causaram medo no cão. Mas há também problemas genéticos que fazem o medo se desenvolver um pouco mais tarde no cão.

É importante acostumar o cão desde pequeno a barulhos, estouros, estampidos para que ele encare de maneira natural esses barulhos. Uma brincadeira legal é colocar balões cheios de petisco para que o cão os estoure e a cada explosão ele seja recompensado.

É importante agir de maneira natural perto do cão. Isso inclui não acariciá-lo, pois tentando acalmá-lo você esta reforçando o comportamento.

Lembre-se associe situações boas e agradáveis a toda situação de barulho extremo ou ao menor sinal de tensão ou com medo. Caso esteja vendo que a situação esta piorando converse com veterinário ou adestrador!

Tudo depende de como os criamos

caes

Algumas raças foram criadas para gerarem ferozes cães de guarda, briguentos e protetores, mas nenhum deles são ferozes por natureza. Foram geneticamente cruzados para isso acentuando personalidades.

O espírito natural do cão é guardar e proteger sua família, seja ela canina ou humana. Quando ameaçados é do seu instinto se defender. Basta que sejam criados de maneira correta, devidamente socializados e equilibrados para terem capacidade de avaliar se uma situação é realmente perigosa ou não.

Por isso se não são treinados ou educados para avaliar tal situação o intuito é atacar qualquer coisa mesmo que inocente.

Muitos cães se tornam assassinos porque aprendem a ter medo e, geralmente, este medo surge quando uma pessoa o mal-trata ou o negligencia.

Temos que lembrar que o ser humano é quem carrega o livre arbítrio e ele pode moldar o cão e decidir que tipo de companheiro quer.

Pimenta no dos outros é refresco

shutterstock_196714352

Vejo um monte de gente usando “técnicas” absurdas e abusivas para tirar manias de seus seus cães.

Certa vez uma pessoa me disse pela internet que estava dando pimenta para o seu cão ficar mais bravo, mas que não estava adiantando, ele continuava manso. O que esse insensível e louco não sabia é que a pimenta pode ser fatal para um cão, pois pode causar um problema gástrico incurável.

Outra violência que é cometida contra o cão é enrolar o jornal e bater na cara do coitado. Na verdade, essa técnica tinha objetivo de assustar o cão, batendo com o jornal em alguma outra superfície sem ser o cão, mas alguém perdeu a paciência e enfiou na cara do totó e espalhou para todo mundo que funcionava.

E esfregar o focinho do cão na urina ou nas fezes? Era apenas para levá-lo perto do xixi ou coco, apontar e dizer NÃO, mas alguém perdeu a paciência e começou a esfregar o focinho do cão e achou que foi sua técnica que funcionou e saiu falando para um monte de gente que funcionava.

Uma das violências mais bizarra que já ouvi falar foi que morder a orelha do cão firma a liderança sobre o animal. Não sei de onde tiraram essa, mas que transforma o dono em um animal irracional, ah, isso funciona!

Bom, moral da história é: tenha cuidado com técnicas estranhas, leia sites e livros confiáveis e se isso não for suficiente de sanar suas dúvidas, pergunte a um profissional da área. Tudo que depende de agressividade e descontrole emocional para funcionar esta descartado no mundo canino. E tenha sempre em mente que pimenta arde em qualquer um!

Xixi pode, xixi não pode

xixi

Hoje vou falar sobre aqueles produtos que atraem ou repelem o cão a fazer xixi em determinados lugares, os chamados Pipi Pode, Pipi Não Pode.

A primeira coisa que é preciso saber sobre tais produtos é que eles não fazem milagres sozinhos. É preciso que você participe ativamente da educação do seu cão.

Agora, vamos a eles. O Pipi Pode, produto que atrai o cão geralmente é feito a base de amônia e ureia, ou seja, nada mais que xixi engarrafado, pois são químicos encontradas na urina de vários seres vivos, inclusive na de seres humanos. É por isso que quando você pinga o produto no tapetinho ou no jornal é como você estivesse marcando o território, deixando ali um lembrete para o filhote de que é ali o local para se fazer xixi.

Estes componentes químicos também são encontrados no nosso suor, o que explica porque os cães fazem xixi em tapetes de banheiro, pois quando você sai do banho molhado pingam algumas gotas de água do seu corpo nele. Outro local que os cães adoram é a lavanderia. Respingos de água de sabão, que contém amônia, caem ali formando um grande território marcado.

Já o Pipi Não Pode, ao contrário do que o conhecimento popular, não irá repelir o cão ou filhote de fazer xixi naquele local. O que realmente ele faz é desmarcar, tirar o cheiro do lugar onde o filhote fez o xixi, fazendo com que ele procure um novo local para fazer suas necessidades.

Se caso você esteja cansado de usar esses produtos você pode usar o próprio xixi do seu cão para marcar o local a ser usado. Já para desmarcar locais que ele está acostumado a usar, pode-se utilizar a Citronela que não possui amônia ou ureia e tem cheiro mais agradável que o Pipi Não Pode e produtos similares.

Caso queira repelir o cão de determinado local já existem no mercado os chamados Bloqueadores, produtos feitos especificamente para repelir o filhote impedindo que ele faça suas necessidades ou até fique no local, como tapetes, carpetes, sofá, cortinas, etc.

Bom, agora que já aprendeu para que serve cada produto, mãos a obra no condicionamento do seu filhote.

Roupas no Varal

shutterstock_24091723

Cães aprendem de tudo, mas nada como a bagunça, isso é o que aprendem com maior facilidade. Muitos aprendem observando outro cão ou até mesmo o próprio dono. Não, espera, o próprio dono? Sim, é verdade! O maior exemplo disso é quando dono vai no jardim e planta alguma coisa. O cão observa de longe e, quando o dono se ausenta, aquele vai ver o que foi enterrado ali e iniciando uma série de buracos.

Com as roupas no varal é a mesma coisa. Ele vê o dono as pendurando e quando este sai de perto ele vai e as puxa. O que ele faz ali é treinar sua caça fazendo um cabo de guerra com a roupa e pulando nela quando o vento a balança. Quer brinquedo melhor para um cão??? Daí surge a pergunta: por que quando estou em casa ele não pega as roupas no varal?

Simples, você está lá e o corrigiu. Ele sabe que pegar roupa na sua presença é errado. Mas ninguém o corrigiu na sua ausência. Por isso o que vou ensinar aqui se chama correção indireta, ou seja, é a correção sem associar à presença do dono.

Pegue uma lata de tinta 18L vazia. Coloque latinhas de cerveja ou refrigerante dentro (ótima desculpa para tomar umas, rs!). Coloque em cima do muro, telhado ou algo próximo ao varal. Amarre-a num pano velho estendido no varal. Quando o cão puxar a “armadilha” irá cair, causando um incômodo no cão que irá associar o barulho e o susto ao ato de pegar roupas na sua ausência.

Mas veja bem! É importante que o cão não veja que você fez a armadilha, pois se ele notar a presença do barbante ele ira puxar somente quando a armadilha não estiver armada! Este tipo de correção (indireta) pode te dar várias ideias para corrigir comportamentos que são feitos na sua ausência.

Ps: Fala a verdade, a ideia do uso da latinha de cerveja foi boa, num foi???