Um pouco de água e um pedaço de pão

boy-and-his-basset-hound

Me lembro de ainda garoto de ter conhecido um cão mestiço, sua mistura era algo anormal.
Baixo, largo, olhos bem claros, orelhas grandes arrastando no chão, lembrando as de um basset hound, sua cor, um vinho escuro.

Ele havia nos visitado a primeira vez através de um cliente que meu pai tinha. Aquele foi levar um motor de picadeira de capim para gado para consertar e o cão o havia seguido. Não lembro seu nome, apenas o tenho na memória, pois eu devia ter meus sete ou oito anos.

Ele era um cão já de meia idade e estava cansado, pois foi seguindo seu dono correndo atrás do carro até chegar na oficina de meu pai que era nos fundos do quintal de minha casa. Ao chegar eu o vi todo cansado, língua para fora, não sabia se respirava, se babava ou engolia a saliva, rs.

Enquanto meu pai conversava com o cliente, fui até a cozinha peguei um pote de margarina de 500g vazio, coloquei água e ofereci. Ele bebeu quase toda a água. Tornei a encher e colocar perto dele que bebeu mais um pouco e foi acalmando sua respiração.

Voltei até a cozinha e sem que minha mãe visse peguei um pão duro, muito duro, pão este que minha mãe iria usar para fazer um doce. Chamei-o num canto para que meu pai não visse, muito menos minha mãe e fui oferecendo ao pobre cão cansado. Enquanto ele comia eu acariciava sua cabeça e conversava com ele. Não me lembro do que falávamos…

cao comendo pao

Quando terminei de dar o pão seu dono já estava pronto para partir e entrando no carro, ele se levantou e se colocou a correr atrás até a sua casa.

No outro dia, chegando da escola – naquela epoca vinhamos sozinhos sem que pai e mãe precisasse buscar -, lá estava ele na porta da minha casa. Ele me recebeu com festa, mas estava cansando. C

Cloquei minha pasta dentro de casa e voltei com o pote de água e um pedaço de pão velho que ofereci a ele. Seu bafo cheirava carniça, o que mostrava que ele era um cão acostumado a se virar. Enquanto o acariciava, vi cicatrizes de brigas em seu corpo, talvez por alguma cadelinha no cio ou um pedaço de carniça, quem sabe?

Quando já havia descansado e era hora de ir, ele simplesmente saia, mas olhava para trás uma duas ou três vezes e imprimia um ritimo de caminhada até dobrar a esquina e desaparecer.

Por vários dias ele me visitou seguidamente no mesmo horário, creio que umas 10 a 15 vezes e todas elas eu e ele repetiámos o ritual da água e do pão.

Eu vinha correndo da escola já sabendo que ele estaria ali na entrada de casa me esperando. Até que um dia isso não aconteceu… Ele parou de me visitar.

Tenho certeza que algo muito ruim aconteceu, pois não existe maior fidelidade do que a de um cão, mesmo que essa fidelidade seja recompensada por um pouco de água e um pedaço de pão.

Calendário Bicho Feliz 2015

calendario

Numa conversa com a diretoria do Grupo Bicho Feliz, tentávamos criar algum evento em que pudéssemos inovar e arrecadar dinheiro para pagar algumas dívidas do Grupo. Então tivemos a ideia de criar um calendário de mesa com fotos de alguns cães que mantínhamos para adoção.

Uma ideia muito boa, mas trabalhosa, pois nunca havíamos feito algo neste seguimento. Até então seguíamos com bazares, venda de pizzas, rifas, etc.

Então saímos a procura de alguém que soubesse como realizar as fotos. Tinha que ser alguém com experiência, pois iríamos usar cães retirados das ruas, alguns tímidos, medrosos e não queríamos passar essa impressão nas fotos.

Então o fotografo Jorge Secco com toda sua bondade disponibilizou seu tempo, material e experiência de maneira voluntária para que pudéssemos realizar as fotos.

O local escolhido foi uma chácara de uma amiga, o transporte realizado, também voluntariamente, por nosso amigo Mateus do Taxi Pets que buscava e levava nossos modelos. Eu me disponibilizei a ajudar a controlar os cães para que eles posassem nas fotos e as meninas preparavam o cenário para os cães.

O trabalho ficou magnífico com fotos lindas, uma mais difícil que as outras de escolher. Esperamos vender cerca de 2000 calendários por R$ 5,00 cada e assim conseguirmos sanar dívidas e ajudar outros animais necessitados.

Os calendários estarão disponíveis em alguns pontos da cidade como CCAA (centro), Dino Pet Shop que fica na rua Francisco Tarcia, 550.

Mas se quiser reservar e garantir o inicio de sua coleção ligue (16) 3432-2402.

Veja o making of do ensaio fotográfico no vídeo abaixo:

Medo

cao medo

É bastante comum eu receber ligações de donos dizendo que seus cães desenvolveram um medo inexplicável da chuva ou até mesmo medo de não se sabe o que. Isso mesmo, alguns cães, do nada, começam a ficar ofegantes e babar, tremer, andar em círculos, etc.

Vale lembrar que alguns cães que sofrem de epilepsia podem ter crises quando estão com medo. Alguns nem chegam a convulsionar, mas ficam ofegantes e com sintomas de medo, pupilas dilatadas, tremores e andando de um lado pro outro.

Para alguns basta o tempo fechar para a sessão de tortura começar. Mas porque isso acontece?

Bom a maioria dos casos que presenciei, o cão tinha passado por um momento difícil durante uma tempestade e seus donos não estavam em casa. Foram barulhos, vento e chuva que causaram medo no cão. Mas há também problemas genéticos que fazem o medo se desenvolver um pouco mais tarde no cão.

É importante acostumar o cão desde pequeno a barulhos, estouros, estampidos para que ele encare de maneira natural esses barulhos. Uma brincadeira legal é colocar balões cheios de petisco para que o cão os estoure e a cada explosão ele seja recompensado.

É importante agir de maneira natural perto do cão. Isso inclui não acariciá-lo, pois tentando acalmá-lo você esta reforçando o comportamento.

Lembre-se associe situações boas e agradáveis a toda situação de barulho extremo ou ao menor sinal de tensão ou com medo. Caso esteja vendo que a situação esta piorando converse com veterinário ou adestrador!

Fórmula do amor

cao oxi

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, os donos de cães não são de pessoas tristes, sozinhas e avarentas.

Essa caricatura não faz condiz com a realidade apesar das pessoas vestirem seus cães de maneira ridícula, conversarem com eles durante horas, deixarem enormes heranças em dinheiro em seu nome já que não tiveram grandes amigos humanos.

O perfil de donos de cães são de pessoas divertidas, menos solitárias e de maior auto-estima do que quem não os tem e existe uma explicação bem simples para isso.

Sabe a oxitocina? Não, não é a vizinha do 32, nem a velhinha da novela, menos ainda uma nova droga, rs! Ela é o hormônio do bem-estar também conhecido como hormônio do abraço, pois nos dá aquela sensação gostosa de um abraço bem apertado e cheio de amor!

Um estudo no japão mostrou que pessoas que interagem positivamente com seus cães registraram um aumento na produção de oxitocina. Mas não somos só nós que registramos esse aumento. Nossos amigos caninos também tem esse aumento. E mais, no caso dos cães, esse aumento só é registrado na presença de nós humanos, ou seja, os cães preferem muito mais a nossa presença do que os da sua própria espécie.

Basta o pequeno ato de tocar a cabeça de um cão já é suficiente para provocar o aumento da produção da oxitocina.

E você? Já tomou sua dose de oxitocina hoje?

Boca cheirando chulé

bocao

“Benzinho, advinha o que o Totó comeu hoje!” – diz a esposa. “Pelo cheiro da boca, sua meias!” – retruca o marido. Ah, se eles pudessem sentir o hálito de uma hiena ou um leão, diriam que o hálito do seu cão é um perfume, rs.

Às vezes, um cão tem mau hálito por desequilíbrio do nível de açúcar no sangue. Cães foram feitos para comer carne e não cereais. Quando um cão ingere corretamente a quantidade de proteínas e vegetais, o hálito fica perfeito.

Em certos casos o mau hálito esta associado a problemas de saúde. Um cão consegue sentir a diferença entre um cão saudável e um cão doente através do seu hálito. Problemas dentários como tártaro também desencadeiam o mau cheiro na boca. Se um cão apresenta um odor na boca adocicado ou metálico é bem provável que não esteja muito bem.

Também é bom não deixar suas meias jogadas por ai, rs

Latidos durante a caminhada

latido-cachorro-poodle

Numa matilha de lobos, cada membro tem uma posição hierárquica. Quando se aproximam de outros, estes passam informações de sua posição na matilha.

O cão que você tem carrega essa informação no DNA e alguns fazem questão de passar essa informação aos demais cães em sua volta.

Se seu cão ao sair late para todos que se aproximam ou estão no seu campo de visão, este pode estar passando a informação de que é um líder dizendo que está ali para mandar e marcar o seu território.

Mas os latidos podem ser um sinal de medo. Latir pode ser uma maneira de blefar, fingindo ser um cão dominante. Tudo depende da maneira com que seu cão esta posicionado durante a caminhada.

Tudo depende de como os criamos

caes

Algumas raças foram criadas para gerarem ferozes cães de guarda, briguentos e protetores, mas nenhum deles são ferozes por natureza. Foram geneticamente cruzados para isso acentuando personalidades.

O espírito natural do cão é guardar e proteger sua família, seja ela canina ou humana. Quando ameaçados é do seu instinto se defender. Basta que sejam criados de maneira correta, devidamente socializados e equilibrados para terem capacidade de avaliar se uma situação é realmente perigosa ou não.

Por isso se não são treinados ou educados para avaliar tal situação o intuito é atacar qualquer coisa mesmo que inocente.

Muitos cães se tornam assassinos porque aprendem a ter medo e, geralmente, este medo surge quando uma pessoa o mal-trata ou o negligencia.

Temos que lembrar que o ser humano é quem carrega o livre arbítrio e ele pode moldar o cão e decidir que tipo de companheiro quer.